aulas

   bibliografia

   links

   

   contato

   


Os Chakras


Os Chakras são literalmente usinas captadoras e distribuidoras de energia cósmica (prana).
Existem muitos Chakras – cada articulação, por exemplo, tem um Chakra – mas sete são os principais e os mais conhecidos.
Os Chakras operam em todos os nossos corpos, do físico ao mais sutil, por isso o Tantra diz que os Chakras possuem três níveis: o nível das pétalas, que gerencia nossa vida física, material, corporal; o nível do botão, que administra nossa vida interna, psico-emocional, e o nível da raiz que tem a ver com nossa vida espiritual, com o nível da Consciência. Daí a representação gráfica dos Chakras ser uma flor de lótus que se enraíza na coluna (nossa face posterior, o inconsciente) e se abre em nossa face anterior (o consciente).
Os sete Chakras mais importantes são:

Muladhara  1. Muladhara, Chakra básico: Relaciona-se com as três tarefas mais ancestrais dos seres vivos: se alimentar, se reproduzir e se defender. Gerencia o nosso aterramento, nosso enraizamento no planeta. No corpo físico está localizado no períneo, e gerencia as pernas, pés e ânus.
Está relacionado com o elemento Terra, com as
glândulas suprarrenais (a adrenalina é o
ônio do Chakra básico, preparando o corpo
para luta-e-fuga), com o plexo nervoso coccígeo (os plexos nervosos e as glândulas são a ponte entre o nível físico do corpo e o nível sutil dos Chakras), e com a cor vermelha.
Bem equilibrado ( Guna Sattwa) propicia a objetividade, a determinação, organização, disposição para o trabalho, talento com as coisas mais materiais da vida (dinheiro, p.ex.).
Hiper-energizado (ou com predominância da Guna Rajas) pode gerar avareza, violência, apego, pouca sutileza, atração por formas mais densas de religião ou pelo agnosticismo ou ateísmo. Hipo-energizado (com predominância da Guna Tamas) pode gerar baixa auto-estima, excesso de medo, de tristeza, depressão, dificuldade de trabalhar, de ganhar dinheiro, fuga da realidade com sexo, drogas, religião.
Tem relação com a Guna Tamas (enraizamento, estrutura), com Annamaya kosha (o corpo físico), com o Dosha Kapha (Terra/Água), com o prana Apana (aspecto descendente da energia vital – prana – que gerencia tudo o que é expelido do corpo), com o Brahma Granthi e com a shakti Kriya (o poder de agir que rompe este Granthi, veja a seguir o texto sobre os Granthis).
Está relacionado também ao anel muscular pélvico (segundo Wilhelm Reich).
Seu Mantra é LAM, sua nota é DÓ e o animal relacionado com este Chakra é o Elefante. 

Swadhishthana 2. Swadhishthana, ou Chakra sexual, está relacionado ao elemento água. Cor laranja. Sendo assim, gerencia tudo o
que circula, desde os diversos líquidos corporais até as emoções. É o Chakra da sexualidade e do prazer - a libido é a poderosa energia de
criação e reprodução ( reprodução da espécie e
também criação daquilo que devemos deixar
para as outras gerações, a nossa obra).
No corpo físico está centralizado no púbis relaciona-se com os órgãos reprodutores (e as glândulas sexuais), com o plexo nervoso sacral, com a pelve e com a região sacro-lombar da coluna vertebral.
Bem energizado (Sattwa) facilita uma emocionalidade e uma sexualidade equilibradas. Hiperenergizado (Rajas) pode acarretar em personalidade agressiva,  taras sexuais, sadismo, problemas na região pélvico-lombar.
Hipoenergizado (Tamas) pode gerar impotência e frigidez sexual, masoquismo, preguiça, dificuldades com as emoções.
Tem relação com as Gunas Tamas (Terra/Água) e Rajas (fogo), com Pranamaya kosha (o corpo de energia), com  prana Vyana (que gerencia a circulação dos líquidos orgânicos e da energia pelo corpo) e com os Doshas Kapha (Terra/Água) e Pitta (Fogo/Água).
Está relacionado também ao anel abdominal de Reich. Seu Mantra é VAM, sua nota é RÉ e o animal relacionado à este Chakra é o crocodilo (e o jacaré)

Manipura

3. Manipura , ou Chakra do plexo solar, elemento fogo e cor amarela. Relaciona-se com o ego, o poder pessoal, o
sentido de individualidade (como eu me posiciono no
coletivo e nas relações). Gerencia tudo aquilo que deve ser digerido: alimentos e emoções.
Relaciona-se com o pâncreas e com o plexo nervoso
Epigástrico.
Bem energizado (Sattwa) liberta do medo,
facilita a compaixão e a importância com os
sentimentos alheios, liberta da necessidade
de controlar a si mesmo e aos outros.
Hiperenergizado (Rajas) produz o tirano, o raivoso, temperamental explosivo, o egoísta, o
egocêntrico, o hipócrita. Também produz azia, gastrite, problemas no fígado. Hipoenergizado (Tamas) facilita a complacência, a baixa auto-estima, a subserviência, a tendência a mascarar suas inseguranças e dificuldades.
Este Chakra faz a interface entre os níveis animal e humano no homem. Está relacionado a Guna Rajas (Fogo/Ar), a Manomaya kosha (o corpo psico-emocional), ao prana Samana (que gerencia os processos de assimilação), e ao Dosha Pitta (Fogo/Água).
Relaciona-se também com o anel diafragmático de Reich. Seu Mantra é RAM, sua nota é MI e  o animal relacionado a este Chakra é o carneiro.

Anahata

 4. Anahata, o Chakra cardíaco, relaciona-se com o elemento ar e a cor verde (alguns usam rosa). Relaciona-se com a respiração, com os pulmões e o coração, bem como com a glândula timo e com os plexos nervosos cardíaco e
pulmonar. E também com sentimentos, afetos,amor, alegria e beleza.
Localiza-se no centro do peito e é o Chakra dos
braços e das mãos.É a interface que divide os níveis humano e divino do homem.
Bem energizado (Sattwa), facilita o desapego, o amor ao próximo, a devoção, o altruísmo, a compaixão.
Hiperenergizado (Rajas) pode produzir
sentimentalismo exagerado, personalidade egoísta, arrogante, prepotente. E também ansiedade, pressão alta, taquicardia. Hipoenergizado (Tamas) acarreta em sentimento de vítima, de culpa, passividade, sensação de medo e inferioridade, angústia no peito, dificuldade de contactar seus sentimentos, dificuldade de se aceitar.
Está relacionado as Gunas Rajas (Fogo/Ar) e Sattwa (Éter), a Manomaya kosha (corpo corpo-psico-emocional) e Vijñanamaya kosha (corpo psico-espiritual), ao Vishnu Granthi, a shakti Iccha (o poder de desejar que rompe o Vishnu Granthi), ao prana Prana (aspecto ascendente da energia, e que gerencia tudo o que é absorvido, bem como as atividades cardíaca e respiratória), e aos Doshas  Vata (Ar/Éter) e Pitta (Fogo/Água).
Relaciona-se também com o anel torácico de Reich. Seu Mantra é YAM, sua nota é FÁ e o animal relacionado a este Chakra é o antílope.

 

Vishuddha

 5. Vishuddha, o chakra laríngeo,  elemento espaço (éter) e cor azul celeste. Gerencia a criatividade, a voz, as glândulas tireóide e paratireóide e o plexo nervoso laríngeo.
É o Chakra  dos professores, dos artistas, dos oradores.
É o Chakra que faz a ligação entre o
sentir (Anahata Chakra) e o pensar (Ajña Chakra), e é o Chakra interface entre o pensar e o sentir. Simboliza a ponte entre as dimensões da Unidade e da dualidade no homem.
Bem energizado (Sattwa) permite uma boa
comunicação entre consciente e inconsciente,
franqueza e sinceridade, expressão dos
sentimentos e emoções, e plena utilização dos potenciais e dos talentos criativos e construtivos.
Hiperenergizado  (Rajas) acarreta em falar demais, em expressar sua sinceridade ou seus sentimentos de forma rude, hipertiroidismo, gula (bulimia). Hipoenergizado (Tamas) produz dificuldade em exprimir suas emoções, sentimentos e opiniões, engolir sapo, engolir choro, dificuldades com a criatividade, hipotiroidismo.
Está relacionado as Gunas Sattwa (Éter) e Rajas (Fogo/Ar), a Vijñanamaya kosha (corpo psico espiritual), ao prana Udana (aspecto da energia vital que gerencia tudo o que ocorre no âmbito da cabeça – sentidos, cérebro e mente), e ao Dosha Vata (Ar/Éter).
Relaciona-se também ao anel oral de Reich. Seu Mantra é HAM, sua nota é  SOL e o animal que está relacionado a este Chakra é o macaco. 

Ajña

Ajña, o Chakra do terceiro olho, está relacionado com a cor azul marinho, a glândula hipófise e o plexo nervoso
Cavernoso.
Regula o funcionamento do cérebro - bem como da mente - assim como os olhos, nariz e os ouvidos
(visão, olfato e audição).  Gerencia desde o
pensamento racional cartesiano, até os estados
 transpessoais e meditativos. 
Bem energizado (Sattwa) facilita a visão neutra, sem julgamentos (a “visão da águia”), o discernimento correto, o uso concentrado e eficiente do pensamento, a utilização equilibrada do sexto sentido e também a facilidade em silenciar a mente na meditação.
Hiperenergizado (Rajas) produz uma mente rápida demais, com excesso de informação, e uma vida toda centrada nessa mente. Pode produzir também, o mau uso das faculdades extra-sensoriais.
Hipoenergizado (Tamas) pode gerar  dificuldades cognitivas e de memória, e dificuldades de abstrair e de intuir.
Está relacionado a Guna Sattwa (Éter), a Anandamaya kosha (o corpo de bemaventurança), ao Dosha Vata (Ar/Éter), ao Shiva Granthi e a Jñana shakti (o poder de conhecer que rompe este Granthi).
Sua nota é LÁ e seu Mantra é OM. O animal relacionado a este Chakra é a Águia.

Sahasrara

 7. Sahasrara, ou Chakra da coroa, é o Chakra da transcendência, da iluminação, não estando, portanto,  mais
relacionado com nenhum elemento e  nenhum órgão.
Alguns autores o relacionam com a glândula pineal, e com as cores violeta e branco. É o Chakra da Unidade,
onde o homem concretiza a realização da sua natureza real. Sua nota é SI.

 

 

Ernani Fornari
Dharmendra


 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
  
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana

 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 
 
 
 
 
 
asana
 

sobe